Série Mulheres no Mercado de TI: “Por que ainda existem tão poucas mulheres na TI em 2020?”

De acordo com levantamento da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), dos mais de 580 mil profissionais de TI que atuam no Brasil, apenas 20% são mulheres. Apesar de as mulheres estarem conquistando seu espaço nas empresas de tecnologia, esse ambiente ainda é majoritariamente masculino. Em contraponto, com competência de sobra, muitas mulheres driblam preconceitos e ocupam posições estratégicas de liderança em empresas como Google, Yahoo!, IBM, dentre outras. Para entender um pouco melhor este cenário, conversamos com uma de nossas colaboradoras, a Dayara Moreira, que hoje é nossa Desenvolvedora dentro da Fábrica de Software.

1.Por que você decidiu começar a estudar e trabalhar com tecnologia?

Sempre me interessei por tecnologia e tinha curiosidade em saber mais sobre o funcionamento dos computadores, por esse motivo resolvi fazer o curso técnico em informática. Foi ali que além de aprender a trabalhar com manutenção de computadores e redes tive o primeiro contato com desenvolvimento, e descobri que era com isso que queria trabalhar de fato.

2.O que mais te motiva em trabalhar na área de TI?

 A possibilidade de estar sempre podendo fazer coisas diferentes, cada projeto ou tecnologia novo sempre proporciona um desafio diferente, e isso com certeza me motiva a querer aprender mais e fazer entregas melhores.

3. Imaginamos que sejam muitos os desafios para a mulher na TI. Quais são os principais para você?

O maior desafio para mim é ter que estar provando o que sabemos a todo momento, isso é muito cansativo.

4. Por que você acha que existem tão poucas mulheres dentro do mercado de TI?

Como ainda é uma área é dominada por homens, acaba assustando quem está pensando em começar. Porém nos últimos anos tem crescido muito o número de mulheres vindo para TI, porém ainda é mais difícil para uma mulher conseguir a primeira oportunidade de emprego do que um homem.

5.Você já sofreu preconceito ou foi subestimada por ser uma mulher trabalhando com tecnologia?

Sim, já tive que ouvir de gerente que essa área não era para mulher ou que não poderia receber o mesmo aumento salarial que meus colegas de equipe (todos homens), na faculdade faziam apostas pra ver quem seria a primeira mulher a desistir do curso. Estes são apenas alguns exemplos do que já passei

6. O que você acha que pode ser feito para melhorar esse quadro e aumentar o número de mulheres na TI?

Eu acho que as empresas poderiam olhar mais para as mulheres que estão tentando a primeira oportunidade na área, temos um número grande de mulheres em início de carreira, elas só não conseguem a oportunidade. Também tem iniciativas que acho interessante como ter grupo de mulheres que falam como é estar nesse mercado, passando uma visão positiva da área e que temos sim empresas que promovem a igualdade de verdade.

7. Se pudesse dar algum conselho para uma garota que deseja estudar tecnologia, qual seria ele?

Diria para ela se jogar e estudar muito, temos uma rotina diferente de outras profissões e isso é muito legal. Diria também para procurar grupos de mulheres que trabalham com TI, estes grupos são ótimos pra troca de conhecimento, experiências e sempre tem oportunidades de trabalho, além de poder fazer boas amizades.

8. E como está sendo trabalhar com na GX2?

 Tem sido uma experiência completamente diferente das outras que tive até aqui, gosto muito da função em que estou e o crescimento profissional e pessoal que tive nesses últimos meses foi incrível. A equipe é muito bacana e além de estarem sempre dispostos a ajudar também sabem ouvir, a troca tem sido bem legal.